Balanço de nutrientes (azoto e fósforo)

A ficha temática “Balanço de nutrientes (azoto e fósforo)” analisa a evolução do balanço dos fertilizantes azoto e fósforo à superfície do solo.
Descrição: 

A incorporação de nutrientes nos solos, como o azoto e o fósforo, é essencial para a promoção e manutenção do desenvolvimento das culturas.

A manutenção de um equilíbrio saudável entre os nutrientes incorporados no solo e os nutrientes removidos pelas plantas é essencial, já que, se por um lado um défice de nutrientes no solo pode provocar um problema de fertilidade, com as consequentes implicações na qualidade das culturas, um excesso de nutrientes poderá originar situações de poluição, não apenas do solo mas também da água e do ar.

O cálculo do balanço de nutrientes (azoto e fósforo) resulta da diferença entre a incorporação destes nutrientes no solo e a sua remoção pelas culturas (Balanço de nutrientes = Incorporação - Remoção).

Esta ficha temática diz respeito a Portugal continental, Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores e será atualizada anualmente.

Objetivos e Metas: 
  • O balanço de nutrientes é necessário à monitorização dos Programas de Desenvolvimento Rural. Propõe-se ser indicador da ameaça potencial do excedente ou défice de dois importantes nutrientes do solo e das plantas em terras agrícolas (azoto e fósforo), fornecendo uma visão sobre a inter-relação entre o uso sustentável dos recursos nutricionais do solo, o uso de fertilizantes agrícolas (inorgânicos e orgânicos) e respetivas perdas para o ambiente. Suporta a decisão política orientada a:
    • Apoiar práticas agrícolas ou florestais que contribuam para a melhoria do ambiente e conservação dos recursos (água, solo, ar) em articulação com uma produção agrícola sustentável e competitiva;
    • Garantir uma nutrição adequada das culturas, corrigindo eventuais carências e evitando excessos de nutrientes por forma a proporcionar produções de elevada qualidade ao mesmo tempo que se preserva a qualidade do solo, da água e do ar;
    • Adotar técnicas adequadas de fertilização, tendo em consideração os diversos fatores que intervêm na dinâmica do azoto e do fósforo no solo, por forma a favorecer a sua absorção pelas culturas e a reduzir ao máximo as suas perdas nas águas de escoamento e/ou de infiltração, bem como nas emissões para o ar.
  • A Estratégia do Prado ao Prato, lançada no âmbito do Pacto Ecológico Europeu, estabelece o objetivo UE de reduzir as perdas de nutrientes em pelo menos 50% e o uso de fertilizantes em pelo menos 20% até 2030.
Análise da evolução:
Última atualização: 
Quinta, 18 Novembro, 2021